Inovação

Dieta mediterrânea combate envelhecimento

11/04/2016 |

Uma dieta de estilo Mediterrâneo diminui os níveis do marcador inflamatório da proteína C reativa associada ao envelhecimento. Esta foi uma das conclusões do Projeto Europeu NU-AGE apresentada recentemente por investigadores na conferência final do projeto que teve lugar em Bruxelas. Um outro efeito positivo da dieta foi que a taxa de perda de osso em pessoas com osteoporose foi reduzida. Outros parâmetros, tais como sensibilidade à insulina, saúde cardiovascular, saúde digestiva e qualidade de vida estão ainda a ser analisados.

"Este é o primeiro projeto que estuda tão profundamente os efeitos da dieta mediterrânica na saúde da população idosa. Usámos técnicas mais avançadas, incluindo metabolómica, transcriptoma, genómica e análise da microbiota intestinal de forma a entender que efeito a dieta de estilo mediterrâneo tem sobre a população de mais de 65 anos ", disse o prof. Claudio Franceschi, da Universidade de Bolonha e coordenador do projeto.

Uma nova dieta adaptada de estilo mediterrâneo foi dada a voluntários para avaliar se retardaria o processo de envelhecimento. O projeto foi realizado em cinco países europeus: França, Itália, Países Baixos, Polónia e Reino Unido e envolveu 1.296 participantes. Naturalmente existiram diferenças entre homens e mulheres, bem como entre os participantes dos diferentes países (em termos de genética, composição corporal, resposta à dieta e parâmetros inflamatórios).

Os investigadores envolvidos no NU-AGE também tiveram em consideração os fatores socioeconómicos na escolha de alimentos e informações sobre a saúde, bem como a maioria das barreiras significativas para a melhoria da qualidade de uma dieta. Tal como aconteceu com os marcadores biológicos, verificaram-se diferenças consideráveis entre países quando comparados vários aspetos, por exemplo em relação ao conhecimento sobre nutrição. Em França e no Reino Unido, mais de 70% dos participantes acharam que tinham um alto conhecimento sobre nutrição, enquanto na Polónia apenas 31%. Além disso, quando as pessoas idosas compram produtos alimentares, existem diferenças entre os países nas atitudes em relação à informação nutricional nos rótulos dos alimentos (o que é importante para uma pessoa da Polónia, pode não ser tão importante para uma pessoa de Itália), e os participantes de diferentes países entendem e confiam nas alegações nutricionais de forma diferente. Os participantes dos Países Baixos e do Reino Unido pareceram compreender melhor as alegações nutricionais do que participantes de França, seguidos pelos da Polônia e Itália. Em termos de confiança, mais de 40% dos participantes italianos achavam que as alegações nutricionais sobre os produtos alimentares são confiáveis, enquanto apenas 20% dos participantes britânicos tiveram a mesma opinião (sobre a confiabilidade dessas alegações). Surpreendentemente para os especialistas, não foram observadas diferenças de género no conhecimento nutricional entre homens e mulheres.

"A conferência NU-AGE foi um grande sucesso e permitiu-nos a partilhar os resultados mais recentes do projeto, bem como decidir sobre os próximos passos e trabalho futuro ", concluiu Franceschi.

FIPA NOTÍCIAS