Nº 56 | 15 outubro 2021

Alimentação em primeiro lugar

Pedro Queiroz | Diretor-Geral

Celebra-se, a 16 de outubro, o Dia Mundial da Alimentação. Em 1981, ano em que se assinalou esta efeméride pela primeira vez, o mote do debate foi “Alimentação em primeiro lugar” (“Food Comes First”). Quarenta anos depois - e espera-se que por muitos mais - a alimentação encontra-se na primeira linha das necessidades da sociedade.

O exercício de reflexão sobre o que será o padrão alimentar nas próximas décadas pode ser complexo. Porém, entre as questões que hoje tomam os debates sobre o tema, existem pilares no presente que devem ser assinalados e áreas que devem ser alavancadas.

Que áreas são essas? Em primeiro lugar, destacamos o papel da ciência e a evolução da investigação alimentar e do conhecimento científico na saúde, na biotecnologia e na genética. O cruzamento entre estes dois campos trará benefícios para a adequação dos padrões de alimentação, tornando-os mais eficazes perante uma população em crescimento e, tendencialmente, mais envelhecida. Será também fundamental para manter os altos níveis de segurança dos alimentos e da qualidade nutricional.

Num outro contexto, sublinhamos a liberdade de escolha. Acreditamos que, em qualquer que seja a área, os cidadãos devem ser livres de escolher e tomar as suas decisões, com base em informação credível. Esta é uma perspetiva que se quer aplicável também à alimentação.

Se nos dias de hoje há mais e melhor informação alimentar disponível, no reverso da medalha proliferam muitos conteúdos “apetecíveis” ao consumidor, mas pouco fundamentados e muitas vezes instigadores de radicalismos e “ditaduras” alimentares sem base científica.

Com abertura e colaboração entre todos os parceiros do sistema alimentar, a solução passa por informar, clarificar e esclarecer os consumidores sobre o que comem. A tecnologia e os canais digitais serão uma ferramenta-chave para lhes colocar nas mãos mais informação, de forma imediata, mais enriquecida e, sobretudo, altamente personalizada. Mas que se quer sempre séria e credível!

Por fim, o papel dos diversos atores da cadeia de valor será, cada vez mais, fulcral. A tecnologia, em particular a digital, terá aqui uma função essencial na promoção da sua eficácia, seja em cadeias mais curtas/locais (como muitas vozes defendem como a chave do futuro) ou em modelos globalizados (como certamente continuarão a existir).

Como nos dias de hoje, esperamos que no futuro este Dia Mundial continue a ser assinalado, uma vez que a alimentação estará sempre em primeiro lugar.


Futuro está nas ações

Consumidor

Futuro está nas ações

Assinala-se a 16 de outubro, o Dia Mundial da Alimentação, instituído pela FAO, que se celebra desde 1981. “As nossas ações são o nosso futuro. Melhor produção, melhor nutrição, melhor ambiente e melhor qualidade de vida” é o lema escolhido para 2021.
CIP: OE2022 fica

Competitividade

CIP: OE2022 fica "aquém das expectativas"

A CIP - Confederação Empresarial de Portugal afirma ainda que a proposta de Orçamento do Estado traduz um "esforço muito pequeno" e "tímido" do Governo para apoiar a retoma das empresas no pós-pandemia.


Desempenho positivo nas exportações

Competitividade

Desempenho positivo nas exportações

As exportações de produtos alimentares e bebidas registaram um crescimento de cerca de 12%, entre janeiro e agosto deste ano, quando comparado igual período de 2020, de acordo com os dados do INE, analisados pela FIPA.
Projeto ICCEE com novidades

Sustentabilidade

Projeto ICCEE com novidades

O projeto europeu ICCEE, do qual a FIPA faz parte, lançou a nova edição da sua newsletter com todas as novidades sobre as suas ações, as ferramentas de trabalho mais recentes disponibilizadas no website e os eventos em agenda.