Nº 41 | 29 janeiro 2021

Europa, decisões com impacto

Pedro Queiroz | Diretor-Geral

A Comissão Europeia publicou, recentemente, um relatório especial do Eurobarómetro sobre as expectativas dos consumidores quanto aos sistemas alimentares do futuro. Elaborado nos 27 Estados-Membros da UE, este inquérito enquadrou-se no desenvolvimento da Estratégia “Do Prado ao Prato” e teve por objetivo perceber qual a opinião e a perceção dos cidadãos nas principais áreas relacionadas com esta iniciativa europeia.

Esta estratégia visa precisamente implementar um conjunto de medidas para promover a transição para sistemas alimentares mais sustentáveis nos pilares ambiental, social e económico, através da participação integrada e cooperativa entre todos os intervenientes da cadeia de abastecimento (desde a produção alimentar ao consumidor).

Ora, neste inquérito europeu, quando questionados sobre quem tem um papel a desempenhar para tornar os sistemas alimentares mais sustentáveis, os consumidores portugueses assumiram que no topo estão os produtores agrícolas e pesca (86%), a indústria agroalimentar (69%), o Governo (53%), os próprios cidadãos (50%) e o comércio/retalho (48%), dando às instituições europeias uma menor relevância (38%).

Podemos inferir que estas respostas refletem que o consumidor tende a dar importância à necessidade de cooperação da cadeia alimentar neste caminho mais sustentável, mas que, em contraponto, não estará a par da relevância da Europa na tomada de decisões sobre estes aspetos e de como estas se materializam, afinal, no seu “prato”.

Facto é que, se a indústria agroalimentar tem vindo a marcar passo, proativamente, no campo da sustentabilidade e dos seus três grandes pilares, não está dependente apenas de si e do trabalho com os restantes parceiros da cadeia.

Hoje, mais do que nunca, tem pela frente os desafios colocados pela União Europeia e 2021 começa com um dos maiores. Falamos da elaboração do Código de Conduta para Práticas Empresariais e Comerciais Responsáveis para o setor agroalimentar, integrado na Estratégia “Do Prado ao Prato” e cujo grande objetivo é facilitar a escolha dos consumidores de regimes alimentares saudáveis e sustentáveis.

A capacidade de cooperação entre toda a cadeia alimentar terá pela frente um teste decisivo e a FIPA, que estará a acompanhar este trabalho, acredita que existe um compromisso efetivo para que este seja ultrapassado com sucesso em prol da sustentabilidade e do consumidor.


Vamos Reinventar o Plástico

Sustentabilidade

Vamos Reinventar o Plástico

A campanha “Vamos Reinventar o Plástico”, lançada pelo Pacto Português para os Plásticos e à qual a FIPA se associa, está de regresso com novo foco. O mote é agora "Reciclar" e "Reutilizar".
Europa arranca com Código de Conduta

Competitividade

Europa arranca com Código de Conduta

A Comissão Europeia deu os primeiros passos na elaboração do Código de Conduta integrado na Estratégia “Do Prado ao Prato”. Um tema que está a ser acompanhado pela FIPA, em colaboração com a FoodDrinkEurope.


Acordos comerciais impulsionam agroalimentar

Competitividade

Acordos comerciais impulsionam agroalimentar

A Comissão Europeia apresentou hoje um estudo sobre os efeitos económicos esperados até 2030 das negociações comerciais em curso e futuras sobre o setor agrícola da UE.
FIPA em entrevista

Competitividade

FIPA em entrevista

Jorge Tomás Henriques, Presidente da FIPA, falou com o Dinheiro Vivo e a TSF para o “A Vida do Dinheiro”. O impacto da pandemia COVID-19 na indústria agroalimentar e as expectativas para 2021 são alguns dos pontos abordados nesta conversa.


Clima e digital são motores para recuperação

Competitividade

Clima e digital são motores para recuperação

O Primeiro-Ministro, António Costa, apresentou as prioridades da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, na sessão plenária que decorreu no Parlamento Europeu, a 20 de janeiro.
Tendências Globais de Consumo 2021

Consumidor

Tendências Globais de Consumo 2021

Sustentabilidade, conveniência, segurança e a efetiva união do físico e digital (“figital”) estão entre as principais tendências, que definirão o comportamento do consumidor e influenciarão as estratégias empresariais este ano.